0     Textos
5 de julho de 2015

Eu e você. Nós dois. Tá tão na cara, sabe. Somos o não casal mais casal que eu já conheci. É aquela velha história… somos incapazes de enxergar de verdade aquilo que está na nossa frente. Com medo de enxergarmos o óbvio, preferimos nos prender a dúvidas e incertezas. E que importância tem isso? Alguém, por acaso, tem certeza de alguma coisa nessa vida? Você tem medo, eu também. Seu medo é de que não dê certo e eu saia magoada. Meu medo é que dê certo e que eu acabe te magoando por não estar preparada para viver tudo isso de novo. O que a gente precisa é parar de pensar tanto. É viver mais. É tentar mais. É querer mais.

Não precisamos seguir regras. Não precisamos ser como todo mundo e nem rotular nada. Nossa história não precisa dar errado só porque nosso histórico não é dos melhores e nem precisamos dizer que não deu certo caso não fiquemos juntos, porque sinceramente, nós já demos certo a muito tempo. Eu não tenho medo de que não dure. Relacionamentos foram feitos para serem vividos e para terminar em algum momento. Terminar depois do primeiro beijo, da primeira noite, do primeiro mês, da primeira década. Alguns casais têm a sorte de viver um amor para a vida toda e isso é lindo. E raro.

Perdemos tanto tempo nos questionando, arrumando tantos “e se” e acabamos perdendo a chance de vivermos algo bonito e de sermos felizes, nem que seja por um breve momento. A felicidade é algo tão difícil de encontrar. Não podemos deixar passar assim, sabe? Não importa quanto tempo ela vai durar… Um sorriso sincero, um dia feliz, um encontro de olhares… Qualquer gesto realmente bonito… Vale a pena.

Às vezes eu acho que seríamos um péssimo casal, somos tão iguais e ao mesmo tempo tão diferentes. Mas daí eu penso que poderíamos ser incríveis um pro outro. Eu posso te ensinar a ser mais leve. Você pode me ensinar a ser mais centrada. É assim que funciona.

Queria muito dizer que vamos encontrar uma resposta num livro, em uma teoria super elaborada, em alguma citação de Freud ou que vamos conseguir ver nosso futuro através de uma bola de cristal. Seria tão mais fácil. Mas a verdade é que isso não vai acontecer. Ou criamos coragem e vamos em busca de respostas buscando onde tudo isso vai dar ou nunca vamos entender.

Sobre o que eu sinto? Não tenho dúvidas. Somos realmente óbvios demais.


Para todos os corações indecisos que por medo de serem felizes ou de quebrarem a cara acabam deixando a felicidade passar. Viver é doloroso, mas é ao mesmo tempo maravilhoso. Arrisquem-se. Não deixem de tentar por medo de se machucar. E caso se machuquem, não fiquem preocupados, Merthiolate não arde mais e uma hora as feridas cicatrizam e tudo volta pro lugar ;)

Compartilhe:   Twitter    Facebook    Google + 0    22 comentários



Deixe sua opinião











domingo, 5 de julho de 2015.

Quem nunca viveu um amor óbvio assim? Ou quem nunca deixou de viver um amor óbvio por medo, ne?

Amei seu blog, seu texto e seu cantinho, vc realmente tem um dom com as palavras! <3


domingo, 5 de julho de 2015.

Acho que todo mundo já viveu algo assim ou conhece alguém que já passou por isso, né?
Muito obrigada, Aime! Seja muito bem-vinda <3

Beijos ♥


domingo, 5 de julho de 2015.

Que texto lindo *o* e concordo: não é porque um relacionamento acabou que ele foi horrível e não deu certo. É como se diz por aí: “Que seja eterno enquanto durar”, ahah.
Adorei o teu blog, a amei a tua forma de escrever <3


domingo, 5 de julho de 2015.

Exatamente. Acho que todo relacionamento tem algo bom… claro, alguns terminam bem, outros nem tanto… mas com certeza algo de bonito teve ali, senão, não teria acontecido, né? ;)
Muito obrigada, Sandra <3 Fico muito feliz que tenha gostado.

Beijos ♥


domingo, 5 de julho de 2015.

Que texto lindo, que blog lindo.
Você sabe jogar bem com as palavras, me encantou e me fez perceber que já vivi um caso assim, mas que apesar dos apesares era bom. <3


domingo, 5 de julho de 2015.

A ideia é exatamente essa, Gisele… que as pessoas leiam, se identifiquem e se encontrem de alguma forma nas palavras que estão ali.
Muito obrigada pelo comentário e seja bem vinda aqui <3

Beijos ♥


domingo, 5 de julho de 2015.

Amei o texto em si!!! Quando o amor é óbvio demais e ainda quando existe ali uma amizade parece que o medo de se machucar é bem maior, justamente por medo de destruir o que de tão bonito já foi construído, mas é como você mesma diz, merthiolate não dói mais e com o tempo tudo volta para o lugar, então vale apena se arriscar!!!


domingo, 5 de julho de 2015.

Siiim! Quando tem uma amizade bacana em jogo a coisa fica sempre mais difícil, mas acho que no fim das contas, quando a amizade é de verdade mesmo, tudo fica bem no final. O importante é deixar tudo muito claro desde o começo =)
Obrigada por comentar e fico muito feliz mesmo por você ter gostado. Obrigada <3

Beijos ♥


segunda-feira, 6 de julho de 2015.

Oii, flor! :)
Amei o texto. Me vi em cada pedacinho dele. Acho que o problema é que é mais fácil não acreditar… É mais fácil, porque se der errado podemos nos apegar a ideia que já sabíamos que não era para ser. Sentido. não faz. Mas a maioria dos seres humanos tem a tendência a “fugir” ao invés de arriscar, de ir até o fim e ver no que vai dar.

Beijos


terça-feira, 7 de julho de 2015.

Oi, Michelly =) Fico muito feliz que tenha se identificado com o texto.
Concordo com você… a gente tende a ir pelo caminho mais fácil, a aceitar o fim antes mesmo do começo… o que é uma pena… quantas histórias a gente deixa de viver por medo, né?
Muito obrigada pelo comentário <3

Beijos ♥


sexta-feira, 10 de julho de 2015.

Que lindo o texto! Vc escreve super bem! Bem comum ficarmos sempre nos “e se” ao invés de vivermos logo!
Arrasou! Beijoss
http://pequenaverissimo.com


segunda-feira, 13 de julho de 2015.

Obrigada <3 que bom que gostou!

Beijos ♥


quinta-feira, 16 de julho de 2015.

Já pensou em ser psicóloga? Vou nem falar nada do texto, pq vc já sabe o q eu acho! A nova Martha Medeiros <3 mas o seu vídeo foi maravilhoso!!! Achei um "q" de psicologia!!! :)


terça-feira, 21 de julho de 2015.

Se eu mudar de faculdade de novo meus pais desistem de mim de vez hahah Obrigada <3 Tô muito animada com esse novo estilo de vídeo... fico feliz em saber que gostou <3

Beijos ♥


sexta-feira, 17 de julho de 2015.

O maior defeito do ser humano é tentar rotular todas as coisas. Algumas coisas devrm só ser sentidas, o rotulo vem com o tempo.

Bjo


terça-feira, 21 de julho de 2015.

Penso exatamente assim, Fernanda! as pessoas deixam de viver tanta coisa bacana porque ficam preocupadas com esses benditos rótulos =/

Obrigada pela visita!

Beijos ♥


sábado, 18 de julho de 2015.

Que blog mais lindo, parabéns. Seu texto me cativou, entrou pro meu blogroll <3


terça-feira, 21 de julho de 2015.

Ahhh… muito obrigada, Fany <3

Beijos ♥


segunda-feira, 14 de setembro de 2015.

QUE TEXTO LINDO! Amei de verdade, escreve mais, vai? hahaha
Tenho muitos textos escritos por mim lá no meu blog e confesso que o seu jeitinho de escrever lembrou o meu e me cativou de verdade.

Seu blog é muito fofo, sério!

http://www.jaquelinelima.com


quarta-feira, 16 de setembro de 2015.

Jaque, fiquei toda feliz com seu comentário. As vezes a gente perde um pouco a vontade de postar e daí surgem comentários como o seu e a vontade de escrever vai voltando… Obrigada <3
Vou conhecer seu blog =)

Beijos ♥


terça-feira, 22 de setembro de 2015.

Jéssica, ME ABRAÇA! Nossa, você descreveu a minha vida e os rolos que já tive. É muito medo, é muita racionalização de algo que não tem como medir, calcular, mensurar. Precisamos acordar pra felicidade, minha gente!
http://www.cherryon.com.br


segunda-feira, 26 de outubro de 2015.

Sinta-se abraçada, Elisa! rs <3